contato@clinicalumiere.com.br | Rua Leonardo Pinto da Cunha, 133 Vl. Adyana - São José dos Campos, SP

☎️  12 3913-2863 ☎️  12 3922-8651 logo whatsapp 12 99799-8651

Lúpus eritematoso sistêmico é o nome correto dessa doença autoimune rara que afeta 01 em cada 400 pessoas ao redor do mundo. Selena Gomez, Lady Gaga, Nick Cannon e Astrid Fontenelle são alguns dos famosos que já confirmaram serem portadores da doença.

 

O lúpus pode afetar principalmente a pele, as articulações, rins e cérebro. Por razões ainda desconhecidas, é mais frequente nas mulheres do que em homens e é provocada por um desequilíbrio do sistema imunológico.

Doenças autoimunes ocorrem quando o sistema imunológico começa a atacar tecidos saudáveis do corpo por engano. Atualmente, já são catalogadas mais de 80 doenças autoimunes conhecidas, porém o lúpus é uma das mais importantes.

No caso do lúpus, a defesa imunológica se vira contra os tecidos do próprio organismo, podendo atingir também fígado, coração e pulmões. Não se sabe exatamente o que causa esse comportamento anormal, mas pesquisas indicam que a doença seja resultado de uma combinação de fatores, como genética e meio ambiente.

Estudos mostram que pessoas com pré-disposição ao lúpus podem desenvolver a doença ao entrar em contato com algum elemento do meio ambiente capaz de estimular o sistema imunológico a agir de forma errada. O que os pesquisadores ainda não sabem é quais são todos esses componentes. A ciência, no entanto, tem alguns palpites:

  • Luz solar: a exposição à luz do sol pode iniciar ou agravar uma inflamação preexistente a desenvolver lúpus.
  • Medicamentos: lúpus também pode estar relacionado ao uso de determinados antibióticos, medicamentos usados para controlar convulsões e também para pressão alta.

Devido às múltiplas formas de manifestação clínica, o diagnóstico é difícil, podendo confundir e retardar o início do procedimento.
Os sintomas do lúpus podem surgir de repente ou se desenvolver lentamente e podem também variar de acordo com as partes do corpo que forem afetadas. Os sinais mais comuns são:

  • Fadiga (cansaço excessivo)
  • Febre
  • Dor nas articulações
  • Rigidez muscular e inchaços
  • Rash cutâneo - vermelhidão na face em forma de "borboleta" sobre as bochechas e a ponta do nariz. Afeta cerca de metade das pessoas com lúpus. O rash piora com a luz do sol e também pode aparecer em outras partes do corpo.
  • Lesões na pele que surgem ou pioram quando expostas ao sol
  • Dificuldade para respirar
  • Dor no peito ao inspirar profundamente
  • Sensibilidade à luz do sol
  • Dor de cabeça
  • Confusão mental
  • Perda de memória
  • Linfonodos aumentados
  • Queda de cabelo
  • Feridas na boca
  • Desconforto geral, ansiedade, mal-estar.

Outros sintomas de lúpus dependem de qual é a parte do corpo afetada:

  • Cérebro e sistema nervoso: cefaleia, dormência, formigamento, convulsões, problemas de visão, alterações de personalidade
  • Trato digestivo: dor abdominal, náuseas e vômito
  • Coração: ritmo cardíaco anormal (arritmia)
  • Pulmão: tosse com sangue e dificuldade para respirar
  • Pele: coloração irregular da pele, dedos que mudam de cor com o frio (conhecido como fenômeno de Raynaud).

Existe procedimento, mas não há cura definitiva para o lúpus, assim como em outas doenças como diabetes e pressão alta. O principal objetivo do procedimento é controlar os sintomas e melhorar a qualidade de vida das pessoas com a doença.
A doença, em sua forma mais branda, pode ser tratada com:

  • Antiinflamatórios não esteroides
  • Protetor solar para as lesões de pele
  • Corticoide tópico para pequenas lesões cutâneas
  • Uma droga antimalárica (hidroxicloroquina) e corticoides de baixa dosagem para os sintomas de pele e artrite.

Lúpus exige procedimento cuidadoso e sabe-se que pacientes tratados adequadamente têm condições de levar vida normal. Os que não se tratam, acabam tendo complicações sérias, às vezes, incompatíveis com a vida. Por isso, fique atento aos sinais que seu corpo pode dar no início do desenvolvimento dessa doença.